OCTYPE html> MALANDRO QUILOMBA (LETRA) - Os Originais do Samba

Malandro Quilomba (Letra)

Os Originais do Samba - Letras

Malandro Quilomba (Letra) - Os Originais do Samba

Se eu nascesse em 1600
seria um quilombola malandrão
Que não largava a viola e nem as beiçolas
das negas de curvão

Tomando o meu suco de aipim
em birosca ou botequim
e puxando um fumo forte
Levando muita bronca do zumbi
pois brigar não é pra mim
Tem que ser pra nego forte
Levando muita bronca do zumbi
pois brigar não é pra mim
Tem que ser pra nego forte
Vai cuidar da plantação

Vai cuidar da plantação crioulo
Meu senhor eu não vou não, não vou, não vou
Vai brigar lá no sertão crioulo
Meu senhor eu não vou não

Mas como todo ilustre brasileiro
Nem com a força do dinheiro
e a luta eu via
mesmo com Henrique dias

porque eu sou um da cor original
meu negócio é folia, futebol e carnaval
porque eu sou um crioulo original
meu negócio é folia, futebol e carnaval
vai cuidar da plantação

Vai cuidar da plantação crioulo
Meu senhor eu não vou não, não vou, não vou
Vai brigar lá no sertão crioulo
Meu senhor eu não vou não

Malandro Quilomba (Letra) - Os Originais do Samba