OCTYPE html> POUT-POURRI DE CURURU (LETRA) - Divino e Donizete

Pout-Pourri de Cururu (Letra)

Divino e Donizete - Letras

Pout-Pourri de Cururu (Letra) - Divino e Donizete

Mundo velho está perdido
Já não endireita mais
Os filhos de hoje em dia já não obedece os pais
É o começo do fim
Já estou vendo sinais
Metade da mocidade estão virando marginais
É um bando de serpente
Os mocinhos vão na frente, as mocinhas vão atrás…

…………………………

Onde é que nós estamos Oh meu Deus tem dó da gente,
Mundo velhojá deu flor carunchou toda a semente,
Virou um rolo de cobra serpente engole serpente,
Quem vive lesando a Pátria dando pulo de contente
E o pobre trabalhador é o escravo na corrente.

……………………………….

Boiadeiro de palavra
Que nasceu lá no sertão
Não pensava em casamento
Por gostar da profissão
Mas ele caiu no laço
De uma rosa em botão
Morena cor de canela
Cabelos cor de carvão
Desses cabelos compridos
Quase esbarrava no chão
E pra encurtar a história
Era filha do patrão

………………………………

Domingo de tardezinha eu estava mesmo à toa
Convidei meus companheiros pra ir pescar na lagoa
Levamos rede de lanço, ai, ai,… fomos pescar de canoa!

……………………………….

Mandei fazer uma canoa fundo preto e barra clara
dois remo de guaranta e um varejao de gaiçara
Ai,ai o apoito pesa uma arroba, jogo na agua o bote para.

Pout-Pourri de Cururu (Letra) - Divino e Donizete